BLOG

Vai e volta – Faça o bem

Um dia, um homem viu uma velha senhora, bem encalhada na beira da estrada, mas mesmo à luz fraca do dia, ele pôde ver que ela precisava de ajuda. Então ele parou na frente do carro dela e saiu. Seu Pontiac ainda estava fervendo quando ele se aproximou…

Vai e volta - Faça o bem

Mesmo com o sorriso no rosto, ela estava preocupada. Ninguém parou para ajudar na última hora. Ele ia machucá-la? Ele não parecia seguro; ele parecia pobre e faminto. Ele podia ver que ela estava assustada, de pé no frio. Ele sabia como ela se sentia. Foram aqueles calafrios que só o medo pode colocar em você.

Ele disse: — “Estou aqui para ajudar você, senhora. Por que você não espera no carro, onde está quente? A propósito, meu nome é Bryan Anderson.

Bem, tudo o que ela tinha era um pneu furado, mas para uma velha senhora isso já era ruim o suficiente. Bryan rastejou para baixo do carro procurando um lugar para colocar o macaco, esfolando os dedos uma ou duas vezes. Logo ele conseguiu trocar o pneu. Mas ele precisava se sujar e machucar as mãos. Enquanto apertava as porcas, ela abaixou a janela e começou a falar com ele. Ela disse que era de St. Louis e estava apenas passando. Ela não podia agradecer-lhe o suficiente por ter vindo em sua ajuda.

Vai e volta - Faça o bem

Bryan apenas sorriu ao fechar o porta-malas. A senhora perguntou quanto ela lhe devia. Qualquer quantia teria ficado bem com ela. Ela já imaginou todas as coisas terríveis que poderiam ter acontecido se ele não tivesse parado. Bryan nunca pensou duas vezes em ser pago. Este não foi um trabalho para ele. Só estava ajudando alguém em necessidade, e Deus sabe que havia muita coisa, que havia lhe dado uma mão no passado. Ele havia vivido toda a sua vida dessa maneira, e nunca lhe ocorreu agir de outra maneira.

Ele disse a ela que, se ela realmente quisesse pagá-lo de volta, da próxima vez que visse alguém que precisa de ajuda, ela poderia dar a essa pessoa a assistência de que precisavam, e Bryan acrescentou: — “E pense em mim”.

Ele esperou até que ela ligasse o carro e partisse. Tinha sido um dia frio e deprimente, mas ele se sentia bem enquanto se dirigia para casa, desaparecendo no crepúsculo.

Algumas quilômetros abaixo, à beira da estrada, a senhora viu um café pequeno. Ela entrou para comer alguma coisa e aliviar o frio antes de fazer a última parte de sua viagem para casa. Era um restaurante com aparência desbotada. Do lado de fora havia duas antigas bombas de gasolina. A cena toda não era familiar para ela. A garçonete se aproximou e trouxe uma toalha limpa para limpar o cabelo molhado. Ela tinha um sorriso doce, que mesmo estando de pé o dia todo não podia apagar. A senhora notou que a garçonete estava grávida de quase oito meses, mas nunca deixou que a tensão e as dores mudassem de atitude. A velha senhora se perguntou como alguém que tinha tão pouco poderia estar dando a um estranho. Então ela se lembrou de Bryan.

Depois que a senhora terminou sua refeição, ela pagou com uma nota de cem dólares. A garçonete foi rapidamente buscar a nota de cem dólares, mas a velha já tinha saído. Ela se foi no momento em que a garçonete voltou. A garçonete se perguntou onde aquela senhora poderia estar. Então ela notou algo escrito no guardanapo.

Havia lágrimas em seus olhos quando leu o que a senhora escreveu: “Você não me deve nada. Estive lá também. Alguém uma vez me ajudou, do jeito que estou ajudando você. Se você realmente quer me pagar de volta, aqui está o que você faz: — não deixe que esta cadeia de amor termine com você. ”

Sob o guardanapo, havia mais quatro notas de cem dólares.

Bem, havia mesas para limpar, açucareiros para encher e pessoas para servir, mas a garçonete conseguiu passar outro dia. Naquela noite, quando chegou do trabalho e subiu na cama, estava pensando no dinheiro e no que a senhora escrevera. Como a senhora poderia saber o quanto ela e seu marido precisavam disso? Com o bebê previsto para o próximo mês, seria difícil …

Ela sabia o quanto o marido estava preocupado e, enquanto ele dormia ao lado dela, ela deu-lhe um beijo suave e sussurrou baixinho: — Tudo vai ficar bem. Eu amo você, Bryan Anderson.

O que vai, volta. Faça o bem e o terá de volta. Seja sempre útil.

 

Vai e volta - Faça o bem

 

CONECTE-SE