Em um tempo distante, havia um velho monge que, através da prática conscienciosa, alcançara certo grau de discernimento espiritual. Ele tinha um jovem noviço de oito anos de idade. Um dia o monge olhou para o rosto do menino e viu que ia morrer nos meses seguintes. Confiado a isso, ele disse ao menino que tirasse férias longas e visitasse seus pais. “Tome seu tempo”, disse o monge. ‘Não se apresse para voltar.’ Porque ele sentiu que a criança deveria estar com sua família quando ele morreu.

O destino está nas nossas mãos

Três meses depois, para sua surpresa, o monge viu o menino voltar a subir a montanha. Quando ele chegou, ele olhou intensamente no rosto e viu que a criança agora viveria até uma idade avançada. “Diga-me tudo o que aconteceu enquanto você estava fora”, disse o monge. Então o menino começou a contar a ele sobre sua viagem para fora da montanha. Contou-lhe sobre cidades e vilas por onde ele passou, sobre percorrer os rios e escalar montanhas. Então, disse a ele como um dia chegou a um córrego transbordando. Percebeu, enquanto tentava passar cuidadosamente pelo fluxo da corrente, que uma colônia de formigas havia se separado em uma pequena ilha formada pela correnteza transbordante. Movido pela compaixão por essas pobres criaturas, ele pegou um ramo de uma árvore e colocou-o em uma corrente do riacho até tocar a pequena ilha. A medida que as formigas conseguiram atravessar, a criança segurou o galho com firmeza, até ter certeza de que todas as formigas haviam escapado para a terra seca. Então ele continuou seu caminho. “Então essa é a razão pela qual os deuses prolongaram seus dias”, pensou o velho monge para si mesmo.

Atos de compaixão podem mudar seu destino.
Por outro lado, atos depravados podem afetar seu destino desfavoravelmente.

#ParePraPensar

Pare, respire, feche os olhos. Assente-se em um local confortável, onde você se sinta bem e tranquilo(a). Mantenha sua coluna ereta, assim melhora a circulação das energias, a circulação sanguínea e sem a pressão do apoio.

Agora: OBSERVE OS PENSAMENTOS!

Rolar para cima