Banwarilal é uma alma simples que acredita no que quer que seja dito.

O pai-e-o-burro

Os meninos da aldeia cientes disso exploram sua simplicidade, por algumas risadas. Um dia, Banwarilal está a caminho do mercado com seu filho para vender seu burro. Ele se depara com alguns garotos da vila para se divertir.

Vendo o pai e o filho andando com o burro, eles primeiro sugerem que o filho monte no burro e não se canse. O filho é colocado no lombo do jumento.

Os garotos então ridicularizam o menino por cavalgar enquanto o pai caminha. O pai e o filho trocam de lugar. O pai cavalga enquanto o filho caminha.

Os meninos então provocam o pai por fazer o pobre filho andar e aconselham a dupla a montar o burro juntos.

Pensando que é uma boa ideia eles cumprem. O pobre burro desmaia de exaustão. Os rapazes expressam sua repugnância à dupla por maltratar o burro e ao conselho de que levem o burro a um médico animal. A dupla segue novamente o conselho.

No caminho, eles se deparam com cachorros perdidos, latindo. Na confusão que se segue, o burro cai na correnteza do no rio. O burro está perdido para sempre. Banwarilal perde o burro porque segue o que lhe é sugerido, sem pensar por ele mesmo.

Aquele que escuta a todos só se tornará motivo de chacota.

 

#ParePraPensar

Pare, respire, feche os olhos. Assente-se em um local confortável, onde você se sinta bem e tranquilo(a). Mantenha sua coluna ereta, assim melhora a circulação das energias, a circulação sanguínea e sem a pressão do apoio.

Agora: OBSERVE OS PENSAMENTOS!

Rolar para cima