64 elementos para você avaliar a Projeção Consciente

Podemos compor o projeciograma com “64 elementos para você avaliar a Projeção Consciente”, criando uma planilha técnica, que pode ser utilizada pelo projetor(a), para pesquisar, mensurar, identificar e avaliar a evolução do padrão de qualidade das projeções conscientes.

  1. Instrumento aferidor da qualidade projetiva.
  2. Instrumento de análise qualitativa projeciológica. 
  3. Instrumento métrico projeciológico.
  4. Planilha de análise da projeção consciente.

O vocábulo projeciograma e as duas expressões compostas projeciograma primário e projeciograma avançado são neologismos técnicos da Projeciometrologia.

Confira as minhas experiências de Projeção Consciente. Já descobri mil modos de como não projetar. 😉

Antonimologia: 1. Invexograma. 2. Proexograma. 3. Holopensenograma.

Estrangeirismologia: o Projectarium; o upgrade contínuo no aperfeiçoamento projetivo; o mapeamento da performance projetiva; a qualificação do know-how projetivo; a open mind.

Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento quanto à qualificação da projetabilidade lúcida.

Ortopensatologia. Eis 3 ortopensatas, citadas na ordem alfabética, pertinentes ao tema:

  1. “Autoconsciencialidade. Quem expande a Projetabilidade Lúcida (PL), aumenta a autoconsciencialidade e, consequentemente, melhora a qualificação holopensênica ao redor de si”.
  2. “Autofiex. O autoparapsiquismo comanda a autofiex. Para o tenepessista chegar à ofiex, o gargalo principal é a autovivência da Projetabilidade Lúcida (PL)”.
  3. “PL. O fenômeno da projeção consciente é de importância singular para a consciência humana porque a remete, temporariamente, à sua paraprocedência para onde retornará ao desativar o soma. Através da Projetabilidade Lúcida (PL), a consciência pode atualizar os seus compromissos proexológicos assumidos antes da ressoma”.

Unidade. A unidade de medida prática da autoconsciencialidade é a projetabilidade lúcida (PL).

Pense para avaliar a Projeção Consciente
Pense para avaliar a Projeção Consciente

Fatuística

Pensenologia: o holopensene pessoal da projeção consciente; os ortopensenes; a ortopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os parapensenes; a parapensenidade; o holopensene da base intrafísica propício à projetabilidade lúcida; a explicitação do holopensene da autocientificidade aplicada às projeções conscientes.

Fatologia: o projeciograma; a aferição do aperfeiçoamento e da desenvoltura do projetor no decorrer da sequência dos experimentos projetivos; a comparação entre os experimentos projetivos pessoais; a comparação entre a autopararrealidade durante o experimento projetivo e a autorrealidade intrafísica; o autodidatismo projetivo da conscin lúcida; a base intrafísica organizada facilitando a vivência das projeções conscientes; a base intrafísica blindada; a organização da vida intrafísica do projetor facilitando a aplicação das técnicas projetivas; a agenda projetiva; a descrição minuciosa das projeções conscientes no diário projetivo; o diário projetivo utilizado qual fonte de pesquisa; o projeciograma mostrando à conscin projetora a importância de registrar os detalhes das projeções conscientes no diário projetivo; o projeciograma contribuindo para a melhoria da qualidade das projeções conscientes; as possíveis evidências confirmadoras das vivências projetivas; a pesquisa sobre a qualidade da projetabilidade lúcida; a leitura e o estudo detalhado dos registros sobre as autoprojeções conscientes; a leitura e o estudo perspicaz das publicações sobre as heteroprojeções conscientes; a descrição das singularidades da projeção consciente sendo material de análise para a melhoria do desenvolvimento projetivo; o projeciograma facilitando ao projetor identificar os acertos e corrigir os erros recorrentes durante as projeções conscientes; a avaliação periódica das projeções conscientes diminuindo a incidência de paragafes; o armazenamento de registros projetivos no intrafísico possibilitando a análise do desempenho da conscin projetora no extrafísico; os qualificadores da projeção consciente; a melhora no nível de lucidez das projeções conscientes; a interpretação crítica das rememorações projetivas; as reciclagens intraconscienciais (recins) repercutindo na melhora do padrão das projeções conscientes.

Parafatologia: a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; o emprego da sinalética energética e parapsíquica pessoal no momento da aplicação do projeciograma na análise dos registros projetivos; o esforço na autopesquisa projetiva conquistando o apoio de amparador extrafísico; a melhoria no padrão das projeções conscientes permitindo ficar mais tempo com lucidez no extrafísico.

Detalhismo

Sinergismologia: o sinergismo automotivação evolutiva–autodisciplina perseverante; o sinergismo qualificação das projeções conscientes–aperfeiçoamento nas parapercepções.

Principiologia: o princípio da descrença (PD); o princípio da autopesquisa; o princípio do autesforço evolutivo; o princípio do autesforço insubstituível; o princípio da autocrítica cosmoética; o princípio do exemplarismo pessoal (PEP).

Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC) aplicado à melhoria da performance da conscin projetora nas projeções conscientes.

Teoriologia: a teoria do holossoma; a teoria do corpo objetivo; a teoria da projetabilidade lúcida (PL).

Tecnologia: a técnica do diário projetivo; a técnica da agenda projetiva; a técnica da avaliação das projeções pelo projeciograma; a técnica de conformação projetiva pela confrontação dos fatos com os parafatos; a técnica da imersão projetiva; a técnica da desassim; a técnica dos 20 EVs diários; a técnica do detalhismo aplicada ao projeciograma.

Voluntariologia: os voluntários das Instituições Conscienciocêntricas (ICs); os voluntários do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC).

Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Autoprojeciologia; o laboratório conscienciológico da Autorganizaciologia; o laboratório conscienciológico do estado vibracional; o laboratório conscienciológico da Autopensenologia; o laboratório conscienciológico da Automentalsomatologia; o laboratório conscienciológico da Autocosmoeticologia.

Colegiologia: o Colégio Invisível da Projeciologia; o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível da Autoconscienciometrologia.

Efeitologia: o efeito de a aplicação do projeciograma nos registros projetivos resultar no aumento da lucidez extrafísica no projetor; o aperfeiçoamento de a qualidade nas projeções lúcidas produzir o efeito crescente das rememorações projetivas; o efeito de o uso do projeciograma propiciar o aumento da motivação na conscin projetora para continuar aperfeiçoando a projetabilidade.

Neossinapsologia: as neossinapses geradas com o estudo do conteúdo dos relatos projetivos a partir da aplicação do projeciograma; as neossinapses adquiridas e reforçadas com a releitura dos registros das projeções conscientes do diário projetivo.

Ciclologia: o ciclo projetivo; o ciclo vivência projetiva–registro projetivo–avaliação diagnóstica–reciclagem intraconsciencial (recin); o ciclo do projeciograma experimento-registro-investigação-constatação-comparação.

Enumerologia: a jejunice projetiva; o estudo projetivo; o método projetivo; a disciplina projetiva; a aferição projetiva; a avaliação projetiva; o veteranismo projetivo. O autesforço; a autorganização; os registros; a replicação; a autopesquisa; a autocomprovação; o autaperfeiçoamento.

Binomiologia: o binômio persistência-resultados; o binômio projeções conscientes qualificadas–registro detalhado; o binômio autoconcentração mental–atenção dividida; o binômio lucidez-priorização; o binômio autopesquisa-autoconhecimento; o binômio autopercepção-parapercepção; o binômio rememoração fragmentária–rememoração em bloco.

Interaciologia: o projeciograma explicitando a interação cérebro-paracérebro; a interação projeciograma–nível de lucidez; a interação esforço individual–rendimento evolutivo.

Crescendologia: o crescendo intrafísico-extrafísico; o crescendo cronológico lucidez extrafísica–rememoração projetiva; o crescendo projeção semiconsciente–projeção lúcida pelo psicossoma–projeção lúcida pelo mentalsoma; o crescendo pesquisa intrafísica–parapesquisa multidimensional.

Antagonismologia: o antagonismo ação intrafísica / ação extrafísica; o antagonismo abordagem intrafísica / abordagem extrafísica; o antagonismo hipnagogia / hipnopompia; o antagonismo obnubilação / lucidez; o antagonismo vida trancada / vida projetiva; o antagonismo materialismo / autoconscientização multidimensional (AM); o antagonismo registro projetivo imediato / postergação dos registros projetivos; o antagonismo realidade intrafísica / pararrealidade.

Paradoxologia: o paradoxo de a melhoria do desempenho extrafísico da conscin projetora exigir esforço intrafísico; o paradoxo de a projeção consciente com duração de poucos minutos poder proporcionar paraconhecimento amplo; o paradoxo de a técnica da saturação mental projetiva exigir a técnica da tábula rasa do projetor no extrafísico para captar neoideias e vivenciar parafenômenos.

Politicologia: a projeciocracia; a lucidocracia; a autopesquisocracia.

Legislogia: a lei da Projeciologia; a lei do maior esforço aplicado à qualificação das projeções conscientes.

Filiologia: a projeciofilia; a registrofilia; a pesquisofilia; a autocriticofilia; a neofilia; a assistenciofilia; a evoluciofilia; a multidimensiofilia.

Fobiologia: a neofobia; a autocriticofobia; a extrafisicofobia; a espectrofobia; a projeciofobia.

Sindromologia: a síndrome da dispersão consciencial dificultando a realização dos registros projetivos.

Mitologia: o mito de o desenvolvimento projetivo ocorrer sem autesforço.

Holotecologia: a experimentoteca; a projecioteca; a energoteca; a pesquisoteca; a parapsicoteca; a parafenomenoteca; a assistencioteca.

Interdisciplinologia: a Projeciometrologia; a Projeciologia; a Projeciografia; a Projeciocriticologia; a Cosmoeticologia; a Extrafisicologia; a Autopesquisologia; a Interassistenciologia; a Exemplarismologia; a Experimentologia.

Perfilologia

Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassistencial.

Hominologia: o Homo sapiens projectius; o Homo sapiens autoperquisitor; o Homo sapiens technicus; o Homo sapiens parapsychicus; o Homo sapiens autolucidus; o Homo sapiens scientificus; o Homo sapiens interassistens; o Homo sapiens tenepessista; o Homo sapiens offiexista; o Homo sapiens epicentricus.

Argumentologia

Exemplologia: projeciograma primário = o da conscin projetora jejuna; projeciograma avançado = o da conscin projetora veterana.

Culturologia: a cultura da projetabilidade lúcida; a cultura da Autopesquisologia projetiva.

Variáveis. Concernente à Cronologia, eis, em ordem alfabética, 64 questões de avaliação para aferir a qualidade da projetabilidade lúcida pessoal, agrupadas de acordo com as 5 fases do ciclo projetivo da conscin, homem ou mulher:

  1. Vigília física anterior:
  1. Condição meteorológica. Como se encontrava a condição atmosférica antes da projeção consciente?
  2. Estado consciencial. Quanto ao estado consciencial, você se percebeu tranquilo, motivado, despreocupado, ou identificou estado íntimo diferente?
  3. Estado fisiológico. Do ponto de vista fisiológico, o soma encontrava-se repousado, cansado, saudável ou doente?
  4. Posição. Qual posição física adotou para a projeção consciente?
  5. Técnica. Aplicou técnica projetiva? Qual?

 B. Exteriorização da consciência:

  1. Aura. Percebeu a aura projetiva e discriminou os respectivos sinais personalíssimos?
  2. Ballonnement. Sentiu a sensação de expansão física ou ballonnement?
  3. Bradicinesia. Experienciou a bradicinesia extrafísica?
  4. Consciência dupla. Ocorreu a consciência dupla no momento da descoincidência dos veículos de manifestação?
  5. Decolagem. A decolagem do psicossoma foi consciente, semiconsciente ou inconsciente?
  6. Despertamento. O despertamento extrafísico ocorreu de modo lento, súbito, voluntário ou assistido por amparador?
  7. Entorpecimento. Verificou a ocorrência de entorpecimento físico?
  8. EV. Conseguiu instalar o estado vibracional no momento da descoincidência dos veículos de manifestação?
  9. Hipnagogia. Acompanhou lúcido(a) a passagem pela hipnagogia?
  10. Lapso. Passou pela parapsicolepsia ou lapso de lucidez no momento da decolagem do psicossoma?
  11. Posição. Após a descoincidência do psicossoma, permaneceu na mesma posição somática ou assumiu outra posição na dimensão extrafísica?
  12. Respiração. Constatou durante a decolagem do psicossoma não haver a necessidade de respirar na dimensão extrafísica? Como se sentiu?
  13. Visão. Vivenciou a visão dupla ou a visualização simultânea dos ambientes físico e extrafísico?

C. Período extrafísico da consciência:

  1. Abordagem. Identificou presença de consciexes na base física? Foi possível fazer a abordagem extrafísica?
  2. Absorção de energia. Absorveu energias extrafísicas? Foi plausível perceber o padrão das energias?
  3. Assistência. Participou de assistência durante a projeção consciente?
  4. Atenção. Como estava a atenção extrafísica? Fixada ou dispersa?
  5. Autobilocação. Conseguiu produzir a autobilocação e observar o próprio soma?
  6. Autotransfiguração. Foi possível modificar a aparência do psicossoma?
  7. Comunicação. Qual tipo de comunicação extrafísica aconteceu? Chegou a experimentar a telepatia ou o conscienciês?
  8. Consciex. Estabeleceu algum tipo de contato com consciex?
  9. Cordão. Percebeu o cordão de ouro, a ligação energética existente entre a paracabeça do psicossoma e o mentalsoma?
  10. Corrente de energia. Percebeu ocorrência de correntes de energias extrafísicas? Sentiu repercussões?
  11. Desempenho. Participou de algum evento no extrafísico? Como estava o desempenho pessoal?
  12. Elasticidade. Experimentou a elongação do psicossoma?
  13. Energossoma. Foi possível examinar a espessura e a pulsação do cordão de prata, e ele próprio?
  14. Fenômeno. Verificou a ocorrência de algum fenômeno durante o período da projeção consciente?
  15. Hiperacuidade. Qual o percentual de lucidez apresentado durante a experiência projetiva?
  16. Ideias. Ocorreu a captação de ideia avançada? Qual?
  17. Inaudibilidade. Experimentou o fenômeno da inaudibilidade extrafísica?
  18. Influência. Sentiu alguma influência extrafísica, seja positiva ou negativa?
  19. Inspeção. Conseguiu fazer a inspeção extrafísica da base física? Como foi?
  20. Invisibilidade. Identificou se estava invisível na dimensão extrafísica? Percebeu a presença de consciexes no ambiente, invisíveis a você?
  21. Liberdade. Conseguiu volitar com liberdade na dimensão extrafísica?
  22. Localização. Identificou em qual ambiente extrafísico se encontrava projetado(a)?
  23. Luminosidade. Observou a luminosidade do próprio psicossoma?
  24. Mentalsoma. Percebeu-se enquanto fora do soma na condição de ponto lúcido de energias?
  25. Parapedagogia. Participou de atividades parapedagógicas no ambiente extrafísico?
  26. Parapermeabilidade. Conseguiu atravessar formações materiais intrafísicas? E formações extrafísicas? Como se sentiu?
  27. Psicossoma. Verificou a forma humanoide do psicossoma?
  28. Retrocognição. Conseguiu desencadear autorretrocognições sadias, enquanto se encontrava projetado(a) lúcido(a)?
  29. Traje. Qual tipo de traje extrafísico estava vestindo?
  30. Veículo. Identificou se a decolagem foi de psicossoma ou de mentalsoma?
  31. Velocidade. A velocidade de deslocamento do psicossoma no extrafísico era lenta, normal, intermediária ou supranormal?
  32. Visão. Identificou o tipo de visão extrafísica que vivenciou?
  33. Volitação. Experimentou volitar dentro da base física e depois sair nos espaços distantes?

D. Interiorização da consciência:

  1. Causa. Qual a causa do retorno à base física?
  2. Despertamento. O despertamento físico foi natural, imediato ou lento?
  3. Hipnopompia. Percebeu a passagem pelo estado de hipnopompia?
  4. Interiorização. O retorno à base física foi consciente, inconsciente, imposto ou súbito?
  5. Motivo. Quais foram os motivos do despertamento físico?
  6. Posição. Quanto a posição de interiorização do psicossoma, ela ocorreu sobre o soma, a partir da lateral direita, da lateral esquerda, pelas costas, pela cabeça ou pelos pés?
  7. Retorno. Após o retorno ao soma, continuou a projeção consciente na base física, interiorizou no soma, entrou em sono natural, ocorreu o sono extrafísico ou começou a sonhar?
  8. Soma. A interiorização da consciência no corpo físico foi consciente, semiconsciente ou inconsciente? 

E. Vigília física posterior:

  1. Climatologia. Como se encontrava a condição atmosférica depois da projeção consciente?
  2. Cronologia. Qual o horário de início e término da projeção consciente?
  3. Estado consciencial. Como estava o seu estado consciencial após a experiência projetiva?
  4. Estado fisiológico. Como se apresentou o estado fisiológico após a projeção consciente?
  5. Rememoração. A rememoração da projeção consciente foi em bloco ou fragmentária?

Usabilidade. Conforme a Projeciologia, eis, por exemplo, em ordem funcional, 5 etapas importantes no estudo das projeções conscientes, para a conscin, homem ou mulher, interessada na aplicação do projeciograma:

  1. Registro. Registrar no diário projetivo as projeções conscientes rememoradas.
  2. Projeciocrítica. Realizar o estudo projeciocrítico das experiências selecionadas.
  3. Aplicação do projeciograma. Aplicar as questões relativas às variáveis do projeciograma para cada projeção selecionada.
  4. Avaliação das respostas do projeciograma. Avaliar as respostas do projeciograma para conhecer a própria realidade projetiva, tanto os aspectos da projeção consciente já desenvolvidos, quanto aqueles a serem aperfeiçoados.
  5. Comparação. Comparar os resultados dos projeciogramas obtidos entre as projeções conscientes atuais e as anteriores, mensurando o desenvolvimento da qualidade projetiva lúcida.

Acabativa

Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais, evidenciando relação estreita com o projeciograma, indicados para a expansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:

  1. Abordagem extrafísica: Extrafisicologia; Neutro.
  2. Ação extrafísica: Extrafisicologia; Neutro.
  3. Agenda projetiva: Projeciologia; Homeostático.
  4. Autoconsciencialidade: Holomaturologia; Homeostático.
  5. Autodidatismo parapsíquico: Autodidaticologia; Neutro.
  6. Deslumbramento projetivo: Projeciologia; Nosográfico.
  7. Estudo projeciocrítico: Projeciologia; Neutro.
  8. Extrafisicalidade: Multidimensiologia; Neutro.
  9. Inabilidade projetiva: Projeciologia; Neutro.
  10. Lucidez extracorpórea: Projeciologia; Neutro.
  11. Nível de lucidez: Autolucidologia; Homeostático.
  12. Paragafe: Extrafisicologia; Nosográfico.
  13. Pararrealidade: Extrafisicologia; Neutro.
  14. Paravivência: Extrafisicologia; Neutro.
  15. Projeciofilia: Projeciologia; Homeostático.

Os 64 elementos para você avaliar a Projeção Consciente ou projeciograma é ferramenta de pesquisa aferidora do padrão de qualidade das projeções conscientes da conscin interessada na autevolução e requinte da autoprojetabilidade lúcida.

Você investe no desenvolvimento projetivo? Conhece o padrão, a qualidade e a interatividade das experiências projetivas pessoais?

Você conhecia os 64 elementos para você avaliar a Projeção Consciente?

64 elementos para você avaliar a Projeção Consciente (Projeciograma)

Referências

Entre em contato

Clique aqui – Fale conosco

#ParePraPensar

Pare, respire, feche os olhos. Assente-se em um local confortável, onde você se sinta bem e tranquilo(a). Mantenha sua coluna ereta, assim melhora a circulação das energias, a circulação sanguínea e sem a pressão do apoio.

Agora: OBSERVE OS PENSAMENTOS!

Rolar para cima