O que a pesquisa da consciência e a mecânica quântica têm em comum?

A resposta é uma palavra: — “transcendência”!

Nossos ancestrais, milênios atrás, não tinham a instrumentação que temos hoje para estudar o mundo material, de modo que os pesquisadores curiosos da época estudaram principalmente a consciência utilizando métodos experimentais, como a meditação. E de vez em quando, um pesquisador saía com uma proclamação como esta:

Olha, companheiros, me ouça. Vivemos não apenas neste mundo imanente do espaço-tempo, mas também em um mundo que está fora do espaço e do tempo; chame de o mundo transcendente. Eu descobri que a realidade tem dois reinos, imanente e transcendente.

Com o tempo, essas pessoas reuniram muitos adeptos para suas ideias, graças a seus seguidores que usavam muitas técnicas de marketing (chamadas religiões ou definindo uma marca) das quais as empresas modernas ficariam orgulhosas.

Mas esses seguidores, com preguiça de meditar, não entendiam realmente como se vive “fora do espaço e do tempo”, e assim interpretaram tudo de forma equivocada, e eventualmente esses curiosos ensinamentos passaram a ser chamados de misticismo. Como ninguém entendia místicos, não demorou muito para que seu conceito místico de transcendência se tornasse a sabedoria predominante.

No entanto, em tempos mais modernos, as pessoas começaram a dizer: “Realize-se! Há apenas matéria se movendo no espaço e no tempo – um reino, um mundo, período – fim da história ”. Você pode chamar essa visão moderna de materialismo científico, se quiser.

Os materialistas científicos têm muita influência hoje

O dicionário “Oxford English Dictionary” define “transcender” como “mentir além da experiência” e a palavra “transcendental” como um priorado. Em outras palavras, a transcendência é uma ideia metafísica, nada mais. Certamente, nada para gastar os dólares de pesquisa do seu governo.

Em uma pesquisa no Google significa:

  • “transcender” transitivo direto e transitivo indireto – elevar-se sobre ou ir além dos limites de; situar-se para lá de;
  • “transcendental” que transcende; transcendente -> transcendente – que excede os limites normais; superior, sublime.

Claro, os místicos estavam falando sobre consciência. O reino fora do espaço e do tempo é um reino de consciência, não outro mundo dual com um espaço e um tempo diferentes. Se um desses antigos místicos se deparasse com um desses cientistas modernos, ele explicaria a futilidade de tentar entender a transcendência sem pesquisar a consciência. Essas pessoas místicas são uma raça rara hoje em dia; mas se você tiver a sorte de conhecer um deles, ele (ou ela) também diria a mesma coisa.

Curiosamente, por volta do fim do século XIX, quando o materialismo científico ainda não atingira o status que desfruta hoje em nossa academia e mídia, havia um gênio científico chamado Sigmund Freud que reavivou o conceito de dois domínios da realidade: inconsciente e consciente, não deixando nenhuma ambiguidade de que ele estava falando sobre os reinos da consciência. De fato, na conceituação de Freud, o inconsciente está além da experiência, além da nossa percepção do objeto-sujeito, muito parecido com o que os místicos entendiam pelo reino transcendente da consciência. Naturalmente, os materialistas científicos não gostaram disso. Eles chamavam a psicologia de Freud de “psicologia vodu” – mística poderia ter sido outra palavra.

Infelizmente, as idéias de Freud se tornaram populares, e hoje todo mundo usa a palavra inconsciente (claro, não necessariamente significando o que Freud quis dizer). Para piorar as coisas, outro psicólogo Carl Jung generalizou ainda mais a psicologia de Freud e declarou que o inconsciente não tem apenas um aspecto pessoal, mas também um aspecto coletivo, soando ainda mais místico. E como Freud, Jung tem muitos seguidores entre os psicólogos e seus clientes. Funciona! Quando você mora em uma casa em chamas (psique) você não se preocupa com a validade metafísica, você quer resultados.

Agora, vamos falar sobre mecânica quântica

Curiosamente, também no final do século XIX, uma espécie de cientistas chamados físicos começou a investigar a matéria submicroscópica e a descobrir coisas estranhas sobre ela. Você poderia chamar suas descobertas, conforme o tempo passava, mais estranho. Por fim, nas mãos de dois físicos, Werner Heisenberg e Erwin Schrodinger, essas descobertas pareciam bem místicas. Esses dois físicos descobriram uma equação matemática que governa o comportamento de objetos submicroscópicos que só poderiam fazer sentido se você aceitar categoricamente que objetos quânticos são ondas de possibilidade.

  • É claro que eles devem se tornar objetos concretos de nossa experiência quando os observamos (o efeito observador);
  • mas onde eles residem antes de os observarmos?
  • Eles residem em potentia – o reino da potencialidade ou possibilidade, disse Heisenberg. Onde está a potentia?

Tem que estar em um mundo que transcende o espaço e o tempo. Experimentos após experimentos apoiaram essa visão de ondas transcendentes de possibilidade que se tornam partículas no espaço e no tempo somente após a observação.

Mas existem maneiras de evitar a linguagem mística da dupla transcendente-imanente, e os livros didáticos de física se tornaram especialistas em escapar dos aspectos místicos da mecânica quântica.

Algumas pessoas disseram a seus alunos: “ninguém entende mecânica quântica”, não entendendo a mecânica quântica como uma virtude para que as pessoas pudessem alcançar o sucesso no uso da mecânica quântica sem entendê-la.

Mas então duas coisas aconteceram

Enquanto as idéias de potenciação transcendente fossem apenas uma necessidade filosófica, poderíamos ignorá-la fingindo praticidade. Mas em 1982, um grupo de físicos sob a liderança de Alain Aspect demonstrou experimentalmente a diferença entre domínios transcendentes e imanentes. No domínio imanente, todas as comunicações e interações entre objetos requerem sinais. Mas no domínio transcendente, o experimento de Aspect mostrou que a comunicação é sem sinal. As comunicações sem sinal são chamadas não-locais e sua descoberta ameaçou mudar nossa visão de mundo.

Os físicos sempre associam um campo a qualquer interação; se houver comunicação, tem que haver um agente de comunicação.

O que devemos chamar de agente de comunicação não-local?

A direção da resposta a essa pergunta veio da pesquisa da consciência. Alguns físicos, eu era um deles, perceberam que a mensagem final da transcendência na mecânica quântica é a consciência. Até Heisenberg antecipou isso quando disse que a mudança que ocorre quando medimos (observamos) uma onda de potencialidade, transformando-a em uma partícula de realidade, é realmente uma mudança em nosso conhecimento sobre o objeto. ParePraPensar! Com qual agência nós conhecemos? É chamado consciência que etimologicamente significa “conhecer com”.

Entrei na pesquisa da consciência, ponderando a questão: “que agência produz a mudança da possibilidade para a realidade?” Para encurtar a história (você pode obter a história completa no livro The Self-Aware Universe – Amit Goswami), a resposta para a pergunta é a consciência, mas somente se você definir a consciência como a base transcendente de todos os seres que é um terreno comum para todos nós, assim como os místicos pensam de nosso ser e Carl Jung pensou em nosso inconsciente.

Mudança de visão de mundo? Sim. Consciência, não importa, é o fundamento primário da realidade.

Contemplar!

Há algo muito prático sobre isso. Você sabe, a psicologia de hoje, com o conceito de consciência orientado para o cérebro, é uma psicologia negativa.

Nosso cérebro está ligado (é verdade!) Para emoções negativas – luxúria, raiva, violência, competitividade, ciúme e tudo isso. Se o cérebro é tudo o que existe, a negatividade é a nossa sorte; e porque muitas pessoas acreditam que o cérebro é nós, elas se tornaram crentes na negatividade.

Contudo, se somos consciência transcendente imanente no cérebro, então o que? Então a positividade volta apressada. Podemos equilibrar a negatividade com nossas intuições de positividade (como os antigos filósofos chamavam de “a voz dos anjos”) como amor, bondade e beleza. E espaço é feito para psicologia positiva.

De fato, historicamente, a mensagem da psicologia espiritual sempre foi positiva, que Carl Jung trouxe de volta à psicologia moderna. E agora a mecânica quântica e os dados experimentais da não-localidade estão tornando tudo científico.

Mas essa é outra história a ser discutida outro dia.

Referência

  • amitgoswami.org

Algo tão revelador precisa ser compartilhado…

Deixe seu comentário…

#ParePraPensar

Pare, respire, feche os olhos. Assente-se em um local confortável, onde você se sinta bem e tranquilo(a). Mantenha sua coluna ereta, assim melhora a circulação das energias, a circulação sanguínea e sem a pressão do apoio.

Agora: OBSERVE OS PENSAMENTOS!

Rolar para cima