BLOG

“If” – E Se – poema de Rudyard Kipling

“E se – (if)”  foi Publicado pela primeira vez em Recompensas e Fadas, de 1910

“If-” apareceu pela primeira vez no capítulo “Brother Square Toes” do livro Rewards and Fairies , uma coleção de poesia e ficção de contos de Kipling, publicada em 1910.

Em sua autobiografia postumamente publicada, Something of Myself, em 1937, Kipling disse que, ao escrever o poema, ele foi inspirado pelo personagem de Leander Starr Jameson , líder do fracassado Jameson Raid contra a República Transvaal para derrubar o governo Boer de Paul Kruger .

O fracasso desse golpe de estado mercenário agravou as tensões políticas entre a Grã-Bretanha e os Bôeres, que levaram à Segunda Guerra dos Bôeres.

 

E Se – Tradução Literal

“Se você pode manter a cabeça quando tudo sobre você
Estão perdendo a deles e culpando você,
Se você pode confiar em si mesmo quando todos os homens duvidam de você,
Mas também permita que duvidem;
Se você pode esperar e não se cansar esperando,
Ou sendo enganado, não lide com mentiras,
Ou ser odiado, não dê lugar ao ódio,
E, no entanto, não pareça muito bom, nem fale muito sábio:

Se você pode sonhar – e não fazer dos sonhos seu mestre;
Se você pode pensar – e não fazer dos seus pensamentos o seu objetivo;
Se você puder se encontrar com Triunfo e Desastre
E trate esses dois impostores da mesma forma;
Se você consegue ouvir a verdade que você falou
Torcido por knaves para fazer uma armadilha para tolos,
Ou observe as coisas que você entregou sua vida, quebradas,
E incline-se e construa-as com ferramentas desgastadas:

Se você pode fazer um monte de todos os seus ganhos
E arrisque-o em uma jogada de arremesso e arremesso,
E perder, e começar de novo no início
E nunca respire uma palavra sobre sua perda;
Se você pode forçar seu coração, nervos e tendões
Para servir a sua vez muito tempo depois que eles se foram,
E então espere quando não houver nada em você
Exceto a vontade que lhes diz: ‘Esperem!’

Se você pode conversar com as multidões e manter sua virtude,
Ou caminhe com os reis – nem perca o toque comum,
Se nem inimigos nem amigos amorosos podem machucá-lo,
Se todos os homens contam com você, mas nada demais;
Se você pode preencher o minuto implacável
Com sessenta segundos de distância percorrida,
A sua é a Terra e tudo o que está nela,
E – o que é mais – você será um homem, meu filho! ”

 

ORIGINAL EM INGLÊS

“if”

“If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you,
If you can trust yourself when all men doubt you,
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
Or being lied about, don’t deal in lies,
Or being hated, don’t give way to hating,
And yet don’t look too good, nor talk too wise:

If you can dream—and not make dreams your master;
If you can think—and not make thoughts your aim;
If you can meet with Triumph and Disaster
And treat those two impostors just the same;
If you can bear to hear the truth you’ve spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to, broken,
And stoop and build ‘em up with worn-out tools:

If you can make one heap of all your winnings
And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breathe a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: ‘Hold on!’

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with Kings—nor lose the common touch,
If neither foes nor loving friends can hurt you,
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds’ worth of distance run,
Yours is the Earth and everything that’s in it,
And—which is more—you’ll be a Man, my son!”

CONECTE-SE