A Cigarra e a Formiga

Tendo a cigarra em cantigas
Folgado todo o verão,
Achou-se em penúria extrema
Na tormentosa estação.

Não lhe restando migalha
Que trincasse, a tagarela
Foi valer-se da formiga,
Que morava perto dela.

Rogou-lhe que lhe emprestasse,
Pois tinha riqueza e brio,
Algum grão com que manter-se
Té voltar o aceso estio.

— “Amiga”, diz a cigarra
“Prometo, à fé animal,
Pagar-vos antes de agosto
Os juros e o principal.”

A formiga nunca empresa,
Nuca dá, por isso junta:
— “No verão em que lidavas?”
à pedinte ela pergunta.

Responde a outra: “— Eu cantava
Noite e dia, a toda hora.”
— “Oh bravo,” torna a formiga;
“Cantavas? Pois dança agora!”

A Cigarra e a Formiga

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
você também pode gostar
EM breve novo Livro

EV

mais popular

#ParePraPensar

Fique por dentro de novas ferramentas para desenvolvimento pessoal, EV e projeção